MELANINA CARIOCA NO SESI BARRA MANSA

0 ✎ Comentários

foto:divulgação
Direto do Vidigal no Rio de Janeiro, o SESI Cultural vai levar ao palco do SESI Barra Mansa no próximo sábado, dia 27 de outubro, às 21h30, a banda Melanina Carioca. Sensação da nova geração musical do Rio embalado por atores da Rede Globo e do Cinema, o grupo reúne uma envolvente mistura de funk, samba, pagode, MPB e hip e hop. A união de ritmos, marcados por muita interação entre os artistas e o público, faz jus ao novo hit “Vem dançar!”.

Além dos diversos sucessos próprios, como "Deixa se envolver", "Frente pro Mar", "Aquela Gata", e o atual “Vem Dançar” – clipe exibido diariamente no Canal Multishow, a banda faz uma homenagem a outros músicos brasileiros, com versões exclusivas e cheias de swing. Completam o repertório letras como "Olhos Coloridos" - Sandra de Sá, "Mar de Gente" - O Rappa, "Salve Jorge" - Seu Jorge, "Sina" - Djavan, e "Ai se eu te pego" - Michel Teló.

Vale ressaltar que Melanina Carioca é formada pelos atores Marcelo Mello, o Jairo da novela das nove na Rede Globo "Em Família"; Roberta Rodrigues, que fez Salve Jorge, Cidade de Deus, Mulheres Apaixonadas; Jonathan Haagensen, de Cidade de Deus, Bróder, Cidade dos Homens, entre outros. Com um público fiel desde 2009, a turma já dividiu palco com outros grandes artistas em seus shows, como Caetano Veloso, Seu Jorge, Marcelo D2, Sandra de Sá, Grupo Revelação e Flora Matos.

Os ingressos podem ser adquiridos de segunda a sexta-feira, das 7h às 20h, no atendimento do SESI, que fica na Rua Argemiro de Paula Coutinho, 2000, Centro (acesso exclusivo pela portaria da Beira-Rio, ao lado do Fórum de Barra Mansa). 

Mais informações pelo 0800 0231 231 ou pelo link www.firjan.org.br/sesicultural .
EVENTO: SHOW MELANINA CARIOCA
DATA: 27 DE NOVEMBRO DE 2014
HORÁRIO: ÀS 21H30
LOCAL: SESI BARRA MANSA - 
RUA ARGEMIRO DE PAULA COUTINHO, 2000,CENTRO.

ORQUESTRA SINFÔNICA DE BARRA MANSA LOTA A IGREJA DA MATRIZ

0 ✎ Comentários


foto: Fabrício Rezende

Igreja lotada. Público atento. Orquestra concentrada. Pianista experiente. Repertório empolgante. Estes foram os ingredientes do concerto perfeito que aconteceu na Igreja da Matriz, na última terça-feira, 16. A Orquestra Sinfônica de Barra Mansa recebeu a pianista Lícia Lucas para juntos realizarem um concerto que emocionou e empolgou: o “Concerto da Independência”, que homenageou o orgulho de ser brasileiro.

O concerto teve início com a ópera O Guarani, de Carlos Gomes. A obra que impressiona por sua força foi executada de forma brilhante pela OSBM, levando a plateia a aplaudir de pé os músicos.

Depois desta apresentação vibrante, a Orquestra recebeu a solista convidada da noite. Lícia Lucas começou apresentando uma obra de seu repertório, emocionando a plateia com sua delicadeza ao tocar o piano.

Sob a regência do Maestro Vantoil de Souza, a Orquestra junto à pianista executou a obra Fantasia Triunfal Sobre o Hino Nacional Brasileiro, de Louis Gottschalk. Neste momento do concerto o público pode apreciar o hino nacional de uma maneira distinta, envolvente e emocionante. O público, mais uma vez, aplaudiu de pé Orquestra e pianista.

Para encerrar a grande noite a Orquestra executou Choros nº 6 , de Villa Lobos, o grande compositor brasileiro. A obra possui diversas nuances musicais, que alternam momentos de calmaria e intensidade. Lícia, que já não estava amis sob o comando do piano, fez questão de assistir à bela apresentação da Orquestra.

Ao final do concerto Lícia Lucas se disse encantada com o trabalho da Orquestra:

“Já toquei com a Orquestra Sinfônica de Barra Mansa outras duas vezes, mas esta foi a primeira vez que toquei sob a regência do Maestro Vantuil de Souza, a quem admiro muito. Posso dizer que sou a fã número um da Orquestra, que faz um trabalho excepcional. Sou fã da Orquestra, do Projeto, da cidade.” Afirmou Lícia, ainda emocionada com o concerto

A Orquestra Sinfônica de Barra Mansa é um dos principais conjuntos do Projeto Música nas Escolas, formada por monitores e alunos avançados. Mensalmente a Orquestra promove um concerto na Igreja Matriz de São Sebastião, em Barra Mansa, realizando, assim, sua temporada oficial. Além da temporada oficial, a OSBM realiza concertos em todo o país, participando de festivais de música, acompanhando ballets internacionais.

O Projeto Música nas Escolas de Barra Mansa atende a todas as escolas públicas municipais de Barra Mansa com processo de educação musical que inicia na educação infantil e se estende a todas as séries. Desde o início, o projeto é mantido pela Prefeitura de Barra Mansa, numa ação conjunta da Secretaria Municipal de Educação e a Fundação de Cultura e, a gestão administrativa é feita pela Associação da Orquestra Sinfônica de Barra Mansa. Além disso, o Projeto é patrocinado pela Saint-Gobain, Votorantim, CCR – Nova Dutra, White Martins, e, pelo Ministério da Cultura – Governo Federal, através da Lei de Incentivo à Cultura – Lei Rouanet. A Light e a Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro, patrocinam o Projeto através da Lei de Incentivo à Cultura do Estado do Rio de Janeiro.


Assessora de Imprensa do Projeto Música nas Escolas e da OSBM
(24) 99947-2142/(24) 3323-8509

O ESTADO TEM OBRIGAÇÃO DE PROTEGER O MEIO AMBIENTE

0 ✎ Comentários

A ação do Estado é decisiva para deter o colapso ambiental, diz especialista



Essencial para a organização da economia depois da crise financeira internacional de 2008, o Estado terá um papel decisivo na superação de outro grande desafio da sociedade globalizada, a luta pelo desenvolvimento sustentável e contra o aquecimento global. 

A análise, apresentada pelo doutor em direito internacional Eduardo Felipe P. Matias em seu mais recente livro, A Humanidade contra as Cordas – A luta da sociedade global pela sustentabilidade, é resultado de uma avaliação detalhada do caminho percorrido nas últimas décadas por políticos, empresas e organizações civis em busca da construção de um novo modelo de crescimento e bem-estar social. Ainda não há uma resposta à altura para o problema e um eventual fracasso em dar conta desse desafio levará a civilização industrial contemporânea ao colapso, prevê o autor.

A partir da recapitulação do movimento mundial de conscientização sobre a necessidade de novas práticas de preservação do meio ambiente, com destaque para o marco histórico da realização, em 1972, da Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente Humano, a obra considera a ação reguladora e indutora do Estado imprescindível para “reverter incentivos perversos que provocaram tanto a crise financeira quanto a socioambiental, com o objetivo de evitar novos colapsos”. A dupla debacle está diretamente relacionada às consequências de um modelo de consumo desenfreado em um mercado desregulado e sem incentivos à sustentabilidade.

O debate sobre as formas de os Estados estimularem de maneira efetiva uma transformação das empresas rumo a um sistema de produção sustentável e baseado em fontes alternativas aos combustíveis fósseis torna-se especialmente importante em um momento de questionamento do sistema de negociações da ONU sobre o clima. O Protocolo de Kyoto, em vigor desde 2005, é o único instrumento legal internacional em vigor para obrigar à limitação das emissões de gases de efeito estufa, os maiores causadores do aquecimento global. Em 2012, os países signatários aumentaram as suas emissões, enquanto o objetivo era a redução de 5% em relação aos níveis de 1990. Mesmo assim, o acordo foi renovado, desta vez por um conjunto menor de participantes responsáveis por menos de 15% das emissões globais de carbono, ante 51% na sua versão original. O sistema organizado para o comércio de carbono entre países com metas obrigatórias de redução e aqueles não comprometidos com esses objetivos não funcionou e não é mais considerado eficaz.

Envolver um número menor de participantes nos pactos para reduzir a produção de poluentes, focar em metas mais tangíveis e considerar previamente o que os países estão dispostos a realizar são algumas das possibilidades para superar o modelo falho. O tamanho do desafio não deve ser subestimado, alerta o autor. As fontes de emissão de gases de efeito estufa são difusas, profundamente entremeadas no sistema de produção e a sua alteração a curto prazo tem custo elevado.

O sucesso na substituição das fontes mais poluentes depende tanto da evolução das regras de governança das empresas para incorporar a questão da sustentabilidade entre os seus objetivos quanto do incentivo público ao desenvolvimento de novas tecnologias. Uma ação importante dos governos, apesar de bastante controversa, é a eliminação total dos subsídios aos combustíveis fósseis, calculados em cerca de 1 trilhão de dólares por ano no mundo todo. Encarecer esses produtos seria um caminho para desestimular o consumo.
O autor entende não existir incompatibilidade entre a sustentabilidade e a globalização, possível veículo para a disseminação de novas práticas, mas a adoção de um padrão sustentável de desenvolvimento tem impactos no crescimento da economia mundial. Por maior que seja o êxito em demonstrar às empresas os bons resultados de investir em práticas consistentes do ponto de vista socioambiental, com redução dos riscos do negócio, ganho de reputação e de eficiência, a luta contra o aquecimento global depende, na essência, de se repensar o modelo de progresso baseado no aumento incessante do crescimento e do consumo. Essa reflexão levou a iniciativas como a criação, pelo governo francês, de uma comissão para estudar um mecanismo mais eficiente de medição da performance econômica e do progresso socioambiental. As questões sem resposta sobre os meios para viabilizar um mundo mais sustentável se avolumam e os problemas se agravam a cada dia, mas há alternativas, conclui Matias.

* Publicado originalmente na edição 816 de CartaCapital, com o título “A mão visível e verde” e retirado do site Carta Capital.


PREFEITO NETO, DE VOLTA REDONDA, APARECE NA LISTA DE INELEGÍVEIS DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO

0 ✎ Comentários

ANTÔNIO FRANCISCO NETO 
654.177.047-68 08/05/2012   113386-4/2008 
PRESTAÇÃO DE CONTAS/ORDENADOR DE DESPESA

Com quase um mês de antecedência, o presidente do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ), Jonas Lopes de Carvalho Junior, encaminhou na segunda-feira (9/6), ao presidente do Tribunal Regional Eleitoral a lista com o nome daqueles que estão inelegíveis.
Confira a lista completa - AQUI


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...